PTEN

5 Aprendizados Sobre Reputação

por Anik Suzuki em 20.06.16

Todos nós conhecemos pessoas com excelente reputação pessoal e profissional. São reconhecidas e valorizadas por aquilo que representam e entregam ao mundo – independentemente do tamanho desse mundo. Mas também conhecemos pessoas incríveis, talentosas, inteligentes, com conteúdo e alta capacidade de realização cujas trajetórias passam quase despercebidas. Vivem muito bem, obrigada, mas voam abaixo dos seus potenciais. É a diferença entre o ótimo e o extraordinário.

A verdade é que alcançar o extraordinário pode até ser improvável, mas não é impossível. Como tudo que é muito difícil e não depende só da gente, não tem fórmula pronta. Mas uma coisa é certa: autoconhecimento, objetivos pessoais claros e planejamento são os primeiros passos dessa jornada. Ou você acha que estar no lugar certo, no momento certo, com as pessoas certas (e ainda acertar a mensagem) é uma questão de sorte?

Se a resposta for não, siga adiante. Quero compartilhar aprendizados simples que temos tido nesse primeiro ano de ANK, mas muito eficazes quando você decide olhar a sua reputação como um bem valioso que merece ser pensado e gerido.

1. REPUTAÇÃO É O OLHAR DO OUTRO

Não temos controle sobre a nossa própria reputação porque reputação é o olhar do outro. O tempo inteiro, nossas atitudes e ações, nossas falas e escolhas, nosso jeito de ser, de vestir, de se relacionar comunicam algo sobre nós. Formam opinião a nosso respeito. E dependendo do público (e dos seus filtros), a mensagem é entendida de maneira diferente. Ou seja: não está ao nosso alcance escolher o que as pessoas pensam sobre nós, mas podemos, sim, gerir os nossos sinais para que eles se aproximem ao máximo daquilo que queremos.

2. REPUTAÇÃO SE CONSTRÓI COM VERDADE

Personagens não têm reputação. Têm script, figurino, direção e, em geral, tempo de validade. Se você quer construir uma reputação sólida, de valor, precisa basear seu plano naquilo que, de verdade, você tem de melhor. Quais são as suas fortalezas, suas aptidões, seus diferenciais, suas paixões, suas preferências? Esse é o ponto de partida. E lembre-se: exemplos servem para inspirar e provocar, nunca para copiar. A construção de reputação é individual e intransferível.

3. REPUTAÇÃO SE FORTALECE COM FEEDBACKS

Precisamos uns dos outros para entender quem somos e onde podemos chegar. São as pessoas que estão à nossa volta, em diferentes graus de intimidade e vínculo, que podem nos ajudar a refletir sobre nossas posturas e atitudes – e sobre a imagem que estamos passando por meio delas. Quando estamos abertos a receber feedback, ampliamos nosso autoconhecimento e, com isso, podemos conhecer nossos pontos fortes e reforçá-los, além de administrar os pontos fracos. Precisamos, genuinamente, ouvir o que o outro tem a dizer sobre nós. Isso só nos tornará melhores.

4. REPUTAÇÃO SE MEDE PELOS NOSSOS OBJETIVOS

Esqueça a subjetividade. Dê uma serventia (ou muitas) à sua jornada de construção de reputação. Quais são os seus objetivos, suas metas pessoais e profissionais? Quer entrar para a história? Quer construir um legado? Quer transformar seu nome numa marca? Quer ser referência em sua área de atuação? Quer ter um preço premium para o seu trabalho ou produto? Quer aumentar seu poder de influência? O que você quer? E o que prova que você está chegando lá? Esses são os seus indicadores. E a isso deve estar subordinado o seu trabalho de reputação.

5. REPUTAÇÃO NÃO BUSCA UNANIMIDADE

Caminhar em busca do extraordinário não fará de nenhum de nós um herói ou uma heroína. Mesmo as maiores e melhores reputações do mundo não são unânimes. Ninguém é perfeito, nem veio ao mundo para satisfazer as expectativas dos outros. Então, trabalhe com afinco, mas relaxe um pouco. Isso dará força e energia para focar no que é realmente importante: aquilo em que você é muito bom e como fazer os outros reconhecerem isso.

Uma boa jornada!

Compartilhe